MARCOS DA CONSERVAÇÃO AMBIENTAL

O Arquipélago de Fernando de Noronha, junto com o Atol das Rocas e o Arquipélago de São Pedro e São Paulo representam grande parte da superfície insular do Atlântico Sul, possuindo papel fundamental no processo de reprodução, dispersão e colonização dos organismos marinhos nesta região. Em função disto, recebeu dois títulos da UNESCO, que devem lhe garantir maior proteção ambiental.

A Área de Proteção Ambiental de Fernando de Noronha – Rocas – São Pedro e São Paulo (APA-FN) foi criada pelo Decreto nº 92.755, de 5 de junho de 1986, com os seguintes objetivos principais:

  1. Proteger e conservar a qualidade ambiental e as condições de vida da fauna e da flora.
  2. Compatibilizar o turismo organizado com a preservação dos recursos naturais.
  3. Conciliar, no Território Federal de Fernando de Noronha, a ocupação humana com a proteção ao meio ambiente.

O Decreto nº 96.693, de 14 de setembro de 1988, cria o Parque Nacional Marinho de Fernando de Noronha com os seguintes objetivos: proteger amostra representativa dos ecossistemas marinhos e terrestres do Arquipélago; assegurar a preservação de sua fauna, flora e demais recursos naturais; proporcionar oportunidades controladas para a pesquisa científica, educação ambiental e visitação pública; contribuir para a proteção de sítios e estruturas de interesse histórico-cultural.

TURISMO

Até 1990, a principal ocupação econômica da população local era o funcionalismo público, mas, a partir daquele ano, o turismo foi crescendo, se tornando importante fonte de renda econômica e os ilhéus foram se instruindo e profissionalizando no atendimento aos turistas.

Para saber mais informações turísticas acesse: www.noronha.pe.gov.br

Legenda do mapa:

 

  • PGR: Sede do Projeto Golfinho Rotador

 

  1. ICMBio – Sedes do Parque Nacional Marinho de Fernando de Noronha, da Área de Proteção Ambiental, do Projeto Tamar e do Centro Mamíferos Aquáticos
  2. Baía dos Porcos – É proibido tomar banho na piscina natural identificada e ultrapassar os limites da baía
  3. Baía do Sancho – Não é permitido nadar ou mergulhar para fora dos limites da baía. Proibido tocar nos corais, que queimam e podem morrer devido a pressão do toque de de mãos e nadadeiras
  4. Trilha Baía dos Golfinhos / Baía dos Porcos – Não é necessário guia mas não é permitido sair da trilha. Observação dos golfinhos e ninhos de aves marinhas como mumbebos, noivinhas e viuvinhas.
  5. Mirante dos Golfinhos – Proibido descer o penhasco, nadar, mergulhar e parar as embarcações dentro da Baía ou nas imediações.
  6. Trilha Ponta da Sapata / Capim-Açu / Leão – Visitação permitida apenas com fiscais ou guias credenciados pelo ICMBio. Alto grau de dificuldade.
  7. Praia do Leão – A praia oceânica de Noronha é a preferida pelas tartarugas-verdes para desovar. É proibido caminhar sobre os arrecifes. Tomar cuidado com as correntes do mar.
  8. Mirante da Ponta das Caracas – Visualização permitida somente do mirante, proibida a descida.
  9. Baía do Sueste – Respeite os limites das bóias, não caminhe sobre os arrecifes e não ingresse no mangue.
  10. Praia do Atalaia – Visitação coordenada pelo Pranamar-FN em horários pré-estabelecidos, de acordo com a maré. Mergulho permitido sem o uso de calçados, nadadeiras, protetor solar e/ou similares. Não é permitido caminhar sobre os arrecifes.
  11. Trilha Caieira-Atalaia – Visitarão autorizada com fiscal ou guia autorizado pelo ICMBio
  12. Enseada da Caieira – É o mergulho menos realizado, mais perigoso e mais bonito da ilha. Local de mar muito agitado e com fortes correntezas. Grande riqueza de fauna submarina, destacando-se o tubarão-bico-fino.
  13. Buraco da Raquel – Visualização permitida somente do mirante, proibida a descida.

 

Na área de proteção ambiental e no Parque Nacional Marinho de Fernando de Noronha, você também deve obedecer ás seguintes normas:

  • A visitação nas áreas do parque Nacional Marinho só é permitida entre 8h e 18h, com excessão do Mirante dos Golfinhos que é das 5h às 18h.
  • De dezembro a junho a visitação nas praias do Americano, do Bode, da Quixabinha e da Cacimba do Padre, é permitida apenas das 6h às 18h.
  • Utilizar somente embarcações e veículos credenciados.
  • É proibido acampar, pernoitar, acender fogo nas praias e escrever ou pichar rochas, árvores ou placas.
  • Respeitar e não matar, capturar, perseguir ou alimentar os animais.
  • Deixar conchas, corais, pedras, partes de animais e vegetais onde estiverem.
  • É proibido abandonar lixos e detritos.